'Não venham', alerta Biden a migrantes que tentam entrar nos EUA

quarta-feira, março 17, 2021

O presidente Joe Biden pediu nesta terça-feira (16) aos migrantes que não tentem entrar nos Estados Unidos, no momento em que crescem as críticas pelo aumento da chegada de pessoas à fronteira com o México, incluindo milhares de menores de idade que viajam desacompanhados.


"Eu posso dizer claramente: não venham. Não deixem suas cidades ou comunidades", declarou Biden em entrevista à emissora ABC News, dirigindo-se aos migrantes.


Horas depois que seu chefe de segurança interna defendeu as políticas de imigração do governo, Biden também rejeitou as alegações de que foi sua decisão de acabar com a política de tolerância zero de seu antecessor Donald Trump que causou o aumento nas chegadas. O democrata observou que houve aumentos semelhantes em 2019 e 2020.


O novo governo democrata busca desmantelar muitas das reformas implementadas pelo seu antecessor Donald Trump, e quer que o Congresso aprove uma ampla reforma migratória para abrir o caminho da cidadania para milhões de migrantes sem documentos.


Os republicanos criticam a nova administração, afirmando que as políticas de Biden resultaram no forte aumento de migrantes que buscam entrar ilegalmente nos EUA.


O presidente abordou o tema um dia após a visita de legisladores republicanos à fronteira para denunciar "a crise".


- Nada de novo -


"Estamos no processo de registrar mais pessoas na fronteira sul do que nos últimos 20 anos", disse Alejandro Mayorkas, chefe do Departamento de Segurança Interna (DHS) em um comunicado.


"Isso não é novo. Vivenciamos aumentos da migração antes, em 2019, em 2014 e antes disso também. Desde abril de 2020, a quantidade registrada na fronteira sul não para de aumentar", disse o alto funcionário.


Em fevereiro, cerca de 100.000 pessoas foram detidas na fronteira sul - entre elas 9.457 menores não acompanhados -, um aumento de 28% em relação a janeiro, segundo as autoridades.


Mayorkas disse que o aumento da chegada de menores se deve ao fim da política do governo anterior de "expulsar cruelmente as crianças pequenas e deixá-las nas mãos dos traficantes".


"São crianças vulneráveis e acabamos com a prática do governo anterior de expulsá-los", defendeu, garantindo que a maioria das prisões na fronteira é de adultos que viajam sozinhos - e são devolvidos a seus países - a menos que sofram de alguma "vulnerabilidade grave".


Mayorkas afirmou que a maioria das detenções na fronteira são de adultos que viajam sozinhos - que são devolvidos -, a não ser que sofram alguma "vulnerabilidade grave".


Além disso, as famílias também são devolvidas ao México ou aos seus países de origem, para respeitar as regras impostas pela pandemia "exceto quando o México não tem capacidade de recebê-los", explicou o chefe do DHS.


Mayorkas - o primeiro latino e o primeiro imigrante a liderar o DHS - atribuiu o aumento das chegadas de migrantes à "pobreza, aos elevados níveis de violência e à corrupção" no México, Guatemala, El Salvador e Honduras.


"Essas condições adversas continuam se deteriorando", afirmou.


Ele também criticou o governo Trump por cortar a ajuda a El Salvador, Guatemala e Honduras que tinha como objetivo amenizar os motivos da migração, como a violência e o impacto dos desastres naturais.


Mayorkas admitiu, por sua vez, que as instalações de acolhimento de migrantes estão lotadas e que as autoridades "não têm tido capacidade para receber o número de menores desacompanhados que vão chegando".


As regras de distanciamento devido à pandemia também diminuíram a capacidade desses locais, lembrou Mayorkas, que pediu ajuda à agência federal de gestão de emergências (FEMA) para a construção de novas instalações.


O funcionário relembrou suas origens cubanas no comunicado para falar da esperança que os migrantes buscam.


"Eu vim para este país quando era um bebê, fui trazido pelos meus pais que compreendiam a esperança e a promessa que os Estados Unidos representam", disse. "Hoje, as crianças chegam na fronteira com esta mesma esperança", concluiu.

AFP

Comente

Veja Também

Anterior
« Prev Post
Próximo
Next Post »