Missa das Cinzas será celebrada, nesta quarta-feira, na Catedral de Olinda

sexta-feira, fevereiro 12, 2021
Católicos de Pernambuco e do mundo inteiro preparam-se para o início da Quaresma, que acontece nesta quarta-feira (17). A data, conhecida como Quarta-feira de Cinzas, também vai contar com programação em Olinda, a partir das 9h, na Catedral da cidade, localizada no Alto da Sé. O período é geralmente associado ao fim do Carnaval, mas recebe este nome por conta do rito de imposição das cinzas na missa que marca a abertura da Quaresma (Missa das Cinzas). De acordo com a igreja, a partir desta data, tem início o período de 40 dias de preparação para a Páscoa do Senhor.
O arcebispo de Olinda e Recife, dom Fernando Saburido, vai conduzir a celebração. “O povo de Deus é convidado a participar, respeitando as normas de distanciamento e de higienização atuais”, destacou o religioso. Já no período da tarde, às 15 horas, ele se junta junta a bispos, padres e lideranças pastorais para o lançamento da Campanha da Fraternidade (CF) 2021, desta vez no Recife, na sede da Regional Nordeste 2 da CNBB, localizada na Rua Dom Bosco, no bairro da Boa Vista. A CF traz o tema “Fraternidade e Diálogo: compromisso de amor" e o lema –"Cristo é a nossa paz: do que era dividido, fez uma unidade" (Ef 2,14a).

“A Quaresma é tempo de conversão, de preparação para a Páscoa que é a grande festa de nossa Igreja”, explica dom Fernando. “Participar da missa, receber as cinzas, fazer jejum e caridade, tudo isso é indispensável para o cristão que quer viver com piedade a Quaresma para partilhar a alegria da Páscoa do Senhor”, destacou.

Rito alterado pela pandemia

Seguindo as orientações da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos, do Vaticano, neste ano de pandemia o rito da Missa das Cinzas vai sofrer duas pequenas alterações: a fórmula (texto) do Missal Romano será dita pelo sacerdote uma única vez, para todos, do altar, e não diante de cada fiel ao receber as cinzas; e sacerdotes e ministros deixarão cair as cinzas sobre a cabeça das pessoas, não fazendo a cruz de cinzas na testa dos fiéis. A orientação foi repassada pelo arcebispo para todas as paróquias da Arquidiocese de Olinda e Recife.

Ainda conforme a organização, as cinzas utilizadas na celebração são obtidas da queima dos ramos usados no Domingo de Ramos do ano anterior. Elas são sinal de humildade, recordando ao cristão a sua origem e o seu fim: “E formou o Senhor Deus o homem do pó da terra” (Gn 2,7); “até que te tornes à terra; porque dela foste tomado; porquanto és pó e em pó te tornarás” (Gn 3,19).

DP

Comente

Veja Também

Anterior
« Prev Post
Próximo
Next Post »