Mais da metade da população de Israel já recebeu primeira dose da vacina

sexta-feira, fevereiro 26, 2021
Mais da metade da população israelense recebeu pelo menos a primeira dose da vacina contra o coronavírus - informou o Ministério da Saúde de Israel, nesta sexta-feira (26).


Israel lançou uma vasta campanha de vacinação em 19 de dezembro, graças a um acordo com o laboratório Pfizer, que abastece rapidamente o país em troca de dados biomédicos sobre o efeito da vacina. O Ministério da Saúde informou que 4,65 milhões dos 9,29 milhões de habitantes já receberam a primeira dose.

A primeira dose da dupla Pfizer e BioNTech tem uma eficácia de 85% de duas a quatro semanas após sua aplicação, disse na semana passada o hospital Sheba de Israel, em um estudo publicado na revista científica The Lancet.

A vacina Pfizer também é 94% eficaz contra os casos sintomáticos de Covid-19, de acordo com um estudo realizado com 1,2 milhão de pessoas em Israel e publicado na quarta-feira, confirmando os dados publicados no país.

"Essa é a primeira prova validada pelos pares sobre a eficácia de uma vacina nas condições do mundo real", disse à AFP Ben Reis, um dos autores do estudo publicado no New England Journal of Medicine.

De toda a população de Israel, 35% já receberam a segunda dose da vacina com uma taxa superior a 85% entre as pessoas de 70 anos, ou mais, segundo o Ministério.

Apesar disso, as autoridades impuseram um toque de recolher noturno neste fim de semana, devido às celebrações do feriado religioso judeu de Purim, no qual tradicionalmente são realizados desfiles carnavalescos e festas à fantasia.

Durante esses três dias, estão proibidas as reuniões de mais de dez pessoas em locais fechados, e de mais de 20 pessoas, em locais abertos.

Israel detectou cerca de 770 mil casos de Covid-19 com 5.700 mortes.

Enquanto o país promove uma das maiores campanhas de vacinação do mundo, os palestinos receberam apenas pouco mais de 30 mil doses, incluindo 2 mil de Israel, que se comprometeu a fornecer 5 mil.

Na quinta-feira, a ministra palestina da Saúde, Mai al-Kaila, alertou sobre uma situação epidemiológica "muito preocupante" na Cisjordânia ocupada, onde há um aumento no número de casos principalmente entre os jovens.

AFP

Comente

Veja Também

Anterior
« Prev Post
Próximo
Next Post »