TCE-PE fará auditoria para apurar prejuízo da Prefeitura com furto de 64 obras de Brennand

quarta-feira, janeiro 20, 2021
O conselheiro Carlos Porto, do Tribunal de Contas do Estado (TCE), determinou a abertura de auditoria especial para "apurar e indicar a responsabilidade omissiva dos agentes públicos, nos últimos cinco anos, anteriormente a dezembro de 2020 (data do último furto), pelo extravio de 64 das 79 obras doadas à Prefeitura do Recife pelo artista Francisco Brennand, para formar o Parque das Esculturas, se possível quantificando também o prejuízo financeiro do erário público".

O requerimento para abertura da investigação foi do procurador Cristiano Pimentel, do Ministério Público de Contas (MPCO).

O objetivo do processo é responsabilizar agentes públicos da Prefeitura do Recife pelo prejuízo econômico da Prefeitura com o furto das obras do Parque das Esculturas. Segundo o MPCO, é "inegável" que, além do prejuízo cultural, a Prefeitura do Recife teve um "considerável" prejuízo econômico pelo valor das obras.

"Francisco Brennand, ainda em vida, era um artista de renome internacional. Portanto, além da questão cultural, suas obras têm um valor econômico considerável, sendo inegável tal constatação. Em 2000, ainda em vida, o artista doou 74 peças à Prefeitura do Recife para formar o Parque das Esculturas, um dos principais pontos turísticos da Capital. O furto de 64 das 79 peças, além do prejuízo cultural, acarreta um inegável prejuízo econômico para a Prefeitura do Recife, pois as peças pertenciam ao patrimônio municipal", diz Cristiano Pimentel, na justificativa do requerimento.

O MPCO informa que a responsabilidade "abrange várias secretarias municipais, como Cultura e Segurança Pública, além de órgãos autônomos, como a Guarda Municipal do Recife, além de outros". Serão analisados os últimos cinco anos, até dezembro de 2020, data do último furto reportado.

Segundo o MPCO, os servidores municipais da gestão anterior poderão ser responsabilizados com multa, débito ou rejeição de contas, conforme a responsabilidade apurada.

O extravio mais recente, em dezembro de 2020, foi de uma serpente de bronze que tinha 20 metros de comprimento que, sem fiscalização, desapareceu quase que sem ser notada.

FolhaPE

Comente

Veja Também

Anterior
« Prev Post
Próximo
Next Post »