Grupo de Contato Internacional discute conflitos na Venezuela

quinta-feira, fevereiro 07, 2019
A crise na Venezuela é tema de reunião, nesta quarta-feira (7), de representantes de 13 países e organizações internacionais em Montevidéu (Uruguai), convocados pelo México e Uruguai. O objetivo é definir a base para um diálogo entre todas as forças políticas da Venezuela.


A reunião extraordinária do Grupo de Contato Internacional, em nível ministerial, é coordenada pela União Europeia (UE).


Participarão representantes da UE, França, Alemanha, Itália, Holanda, de Portugal, da Espanha, Suécia, do Reino Unido, da Bolívia, Costa Rica, do Equador, México e Uruguai, segundo informações da Presidência uruguaia. Também são esperados delegados da Comunidade do Caribe, composta por 15 Estados-membros e cinco associados.


México e Uruguai defendem o diálogo com o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, enquanto Brasil, a maioria dos integrantes do Grupo de Lima, várias nações da Europa e os Estados Unidos reconhecem como legítimo o interino Juan Guaidó.


Ontem (6), o presidente do Uruguai, Tabaré Vásquez, e o chanceler uruguaio, Rodolfo Nin Novoa, reuniram-se com o ministro das Relações Exteriores do México, Marcelo Ebrard. Ele afirmam que o caminho para o fim do impasse é o diálogo entre Maduro e a oposição.


"Este esforço responde ao apelo do secretário-geral da ONU [Organização das Nações Unidas], António Guterres, para apostar no diálogo diante daqueles que negam que tal possibilidade existe", informou em comunicado do Ministério das Relações Exteriores do Uruguai.


Nessa quarta-feira, o chanceler brasileiro, Ernesto Araújo, em viagem aos Estados Unidos, disse não reconhecer a reunião que ocorrerá em Montevidéu.

Rússia


Aliada do presidente venezuelano, Nicolás Maduro, a Rússia lamentou não ter sido convidada para a reunião.


"Esperávamos que a Rússia pudesse participar dos trabalhos que acontecerão hoje em Montevidéu, ao menos como país observador, mas nos disseram que algo assim não estava previsto para ninguém", declarou o vice-ministro russo das Relações Exteriores, Serguei Riabkov, à agência de notícias RIA Novosti.


Riabkov destacou a preocupação de seu país ante as informações de que a reunião não dará tanta atenção a "uma solução entre venezuelanos".


Também alertou para as tentativas "de pressão contra as autoridades legítimas de Caracas".

AFP

Comente

Veja Também

Anterior
« Prev Post
Próximo
Next Post »