Terceiro Posto de Informação e Controle de Fernando de Noronha começa a ser construído

quinta-feira, agosto 02, 2018
Começaram as obras de construção do Posto de Informação e Controle (PIC) da Praia do Leão, em Fernando de Noronha. O espaço promete ser 100% sustentável e vai contar com materiais ecologicamente corretos, abastecimento de energia fotovoltaica, aproveitamento de água da chuva e banheiro seco com sistema de compostagem.

O prédio terá um total de 51 metros quadrados e a ideia é que sirva como edificação modelo. “Nós queremos que o PIC seja um modelo de construção sustentável em Noronha. A nossa expectativa é inaugurar o posto até o próximo mês de outubro”, falou o chefe do Núcleo Integrado do Instituto Chico Mendes da Biodiversidade (ICMBIO), Felipe Mendonça. O órgão ambiental é responsável pela área do Parque Nacional Marinho, onde está localizado o PIC.

A obra vai ter também um deck com 300 metros para acesso à trilha. O trabalho está sendo executado pela Econoronha, empresa concessionária dos serviços turístico do parque. “Nós estamos investindo cerca de um milhões de reais no serviço. Ao final o PIC servirá com apoio aos visitantes, não haverá loja de suvenir, apenas a comercialização de água e lanches e também daremos informações as pessoas”, informou o gerente da Econoronha, Pablo Mórbis.

A Econonha é responsável pela visitação no Parque Nacional Marinho de Fernando de Noronha desde dezembro de 2010. O PIC do Leão já estava previsto no projeto no começo das atividades, mas só foram construídos até agora os postos das praias do Sueste e do Sancho.

“A área da obra do Leão teve restrições iniciais do Iphan (Instituto do Patrimônio Artístico e Nacional) e foram necessários ajustes para aprovação da edificação. A região teve um forte no passado, por isso tivemos que fazer as adequações”, disse Felipe Mendonça.

Incêndio

O material de construção do PIC já estava na ilha, armazenado num galpão do antigo Hotel Esmeralda . Esse galpão foi destruído num incêndio em junho de 2013. “Nós adquirimos novos materiais, uma vez o fogo consumiu o que já estava em Fernando de Noronha. Já trouxemos cerca de 50% dos materiais necessários para a obra, o restante deve chegar ao longo do trabalho”, finalizou Pablo Mórbis.



G1PE

Comente

Veja Também

Anterior
« Prev Post
Próximo
Next Post »