Em nota, Abrasco critica cortes na saúde para subsidiar o diesel

sexta-feira, junho 01, 2018
Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco) afirma que o governo Temer agravou mais uma vez a saúde dos brasileiros e que o Sistema Único de Saúde (SUS) recebeu mais um corte duro após o anúncio da Medida Provisória 839.

A Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco) divulgou nota nesta sexta-feira (1º) na qual critica o cancelamento de gastos na área da saúde para subsidiar o diesel. A medida foi anunciada pelo governo na quinta-feira (31) e vem junto da diminuição de incentivos para exportadores e fim de benefícios para a indústria química.

No texto, a Abrasco afirma que o governo Temer agravou mais uma vez a saúde dos brasileiros e que o Sistema Único de Saúde (SUS) recebeu mais um corte duro após o anúncio da Medida Provisória 839, publicada na edição extraordinária do Diário Oficial da União (DOU), que detalha o corte de gastos feito pelo Executivo para "tentar acomodar o gasto extra de R$ 9,58 bilhões para bancar o subsídio ao diesel".

De acordo com a Associação, as quatro medidas econômicas cancelam parte dos gastos de quase 50 áreas e programas, que somam R$ 3,382 bilhões. E cita que, dentre eles, estão recursos que iriam para o fortalecimento do SUS, e áreas como políticas públicas contra as drogas, políticas para juventude, violência contra mulheres e fortalecimento do SUS.

"Os cortes na saúde são para subsidiar a política de preços da Petrobrás que privilegia os interesses dos acionistas minoritários (a maioria estrangeiros). A população vai sofrer para garantir os dividendos de poucos. A Abrasco conclama a sociedade para manifestações contra esta medida que retira os recursos das áreas sociais e dos programas voltados para os mais carentes", afirma a nota.



FOLHAPE

Comente

Veja Também

Anterior
« Prev Post
Próximo
Next Post »